quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Argentina: de 1870 à 1930



    
Resultado de imagem para argentina 1870

    Na década de 1870 a Argentina impressionava pela sua arquitetura e regiões como os pampas. Buenos Aires era a região mais urbanizada e logicamente na qual se instalava o centro administrativo argentino. Neste período, na faixa costeira do estuário do Prata e do Paraná, era praticada a principal atividade comercial do período. Isso fez com que Buenos Aires se tornasse cada vez mais importante na qualidade de centro comercial e urbano na Argentina. Essa principal atividade comercial era o gado. Negócio que não exigia muito capital de investimento e não solicitava grande mão de obra.
    No decorrer do século XIX a argentina aumentou gradualmente seus lucros com o comercio envolvendo o gado. Com isso surge a visão de investimentos em outras áreas, um exemplo disso foi a criação de ovelha para a obtenção de lã. Durante toda a evolução comercial argentina o gado foi o “protagonista” da economia, contudo, além da produção de lã, a argentina mantinha em paralelo a criação de gado uma agricultura estável e produtiva.
    O gado estruturou a economia argentina na exportação de charque. Desta forma, os outros cortes passaram a ser usados no consumo interno. Isso fez acelerar não só o comercio externo, como manteve viva a atividade comercial interna.
    Um fator de grande problema a produção argentina foi a questão das terras. Com o grande crescimento comercial e a importação de charque absorvendo toda a produção, a Argentina se viu com pouco espaço produtivo e iniciou-se uma reestruturação da produção agrícola e pecuária, visando assim um aumento de matéria prima e uma grande e favorável expansão territorial. Com a expansão territorial estruturada o problema migrou para outra questão. Com uma grande produção e um mercado cada vez mais solícito a escassez de mão de obra surge e deixa a produção comprometida. Como saída estratégica a Argentina lança mão da mão de obra imigrante e inicia uma política de imigração para o trabalho agropecuário. Com o trabalho imigrante já ocorrendo o governo se preocupa com um dado alarmante. Já em 1914 existiam mais homens na força de trabalho imigrantes do que argentinos. Com isso fica claro que a grande influencia imigrante na força de trabalho contribuiu para uma relativa mudança no cenário socioeconômico argentino, com contribuição direta no aumento populacional, na oferta sempre em ascensão de mão de obra para o mercado de trabalho e nas técnicas implantadas na produção. Com isso ocorre neste setor uma variação de perfil do trabalhados, mesclando migração X mão de obra se obteve novas formas produtivas. De maneira lógica percebe-se que o aumento da oferta de mão de obra esta diretamente relacionado ao aumento da importação, assim, pode-se dizer que a “fama” da produção e comércio argentino fez aumentar a demanda de mão de obra imigrante.
    Durante este processo observa-se que enquanto fazendeiros lucravam alto, os trabalhadores não recebiam “ um quinhão” proporcional ao aumento dos lucros. Ou seja, trabalho tinha, mais também tinha muita mão de obra. O que fez banalizar a mão de obra derrubando os salários. Isso sem contar que com tanta imigração e o aumento relativo da população, tanto por imigrantes como por natalidade, começa a ter um grande número de pessoas desempregadas, diminuindo com isso o poder de compra e gerando problemas como o aumento da inflação. Os produtores não abriam mão dos seus negócios mantendo. Com isso ocorre um aumento dos preços dos produtos internos e mantendo o valor nos produtos exportados. Isso contribuiu ainda mais para prejudicar a questão econômica e social na Argentina.
    Neste período a economia argentina era primitiva, por isso o capital era escasso. Esse dado permite entender a dependência do pais frente a Inglaterra. Quase todo foco de operações bancárias era o comércio. A Argentina garantiu o investimento no comércio com fundos vindos da Inglaterra. Contudo, não é correto mencionar que todo capital foi de origem estrangeira. O capital interno também desempenhou um papel relevante no melhoramento de terra e de gado, assim como, na urbanização da capital.
    A construção econômica da argentina se dividiu em três períodos: o primeiro período começa com o término da crise de 1873 – 1876 e que alcança seu melhor momento com o “crash” 1890, apesar de recessão o período também teve uma grande expansão econômica. O segundo período tem seu inicio em 1890 e acaba na segunda metade desta mesma década, teve um período de depressão. E no final, o terceiro período teve uma grande expansão econômica também, se mantendo ate 1912. Como toda evolução econômica, problemas ocorreram com a moeda argentina necessitando de intervenções políticas para contornar a situação. Com isso dividas foram formadas chegando a um montante de 100 milhões de pesos em 1885 e 300 milhões de peso em 1892. Fato preocupante e que refletiu na economia argentina promovendo um déficit econômico importante. O ano de 1891 foi considerado o auge da crise financeira do período. Mesmo em crise alguns setores continuaram crescendo, um exemplo foi o setor de construção civil. Este não dependia dos insumos importados e por isso se manteve em alta.
    O período de 1900 a 1912 teve dois fatores fundamentais: a produção de cereais e o aumento do valor da carne na exportação. Isso promoveu inúmeros investimentos nos setores e uma inovação tecnológica se viu implantada, o transporte refrigerado da carne, item que se tornou diferencial e procedimento chave na logística de distribuição dos cortes de gado. Outro surgimento logístico tecnológico foi a utilização de ferrovias como escoamento de mercado foi fundamental para a construção de uma rede ferroviária e, esta, um impacto sobre a formação dos mercados. Com o aumento da logística de transporte da produção, criou-se alguns centros urbanos, prova cabal do crescimento proporcional dos avanços tecnológicos.
    Uma reforma monetária buscou o saneamento econômico argentino, assim a obtenção de matéria prima mais em conta foi um diferencial do período. Altos e baixos, valorização e desvalorização do peso e da economia argentina deixaram o setor sócio econômico argentino abalado. Até a segunda guerra mundial, passando é claro pela primeira guerra, interferiu na importação dos produtos argentinos. Medidas econômicas foram tomadas no intuito de minimizar tal problema, mantendo assim, na medida do possível a estabilidade da economia argentina.
    Portanto, pode-se observar que a estruturação político econômico social da argentina, foi diretamente ligada a pecuária e a agricultura, tendo ainda como coadjuvantes outras formas de produção como a lã. Esta produção manteve o mercado comercial argentino aquecido e sempre em evolução, tanto no comercio externo como no interno. As inúmeras crises ocorridas na argentina, o crash de 1889 por exemplo, permitiram o amadurecimento político e econômico, assim como, a criação de novas  formas comercias.
    Outra questão bem discutida foi a questão da necessidade de terras e mão de obra. Este problema foi solucionado através de contratação de Mão de obra imigrante e uma reestruturação da produção o que permitiu uma expansão das terras. Estes mesmos imigrantes ajudaram no aumento da população, assim como, na implantação de novas técnicas de trabalho, contribuindo desta forma para uma mescla na forma de produção.
    Por mais que a Argentina tenha passado por problemas econômicos, no período analisado, 1870 ate 1930, nota-se um grande empenho político para que o pais não caia em recessão, mesmo tendo ele passado por algumas. As questões salariais e de desvalorização da mão de obra, assim como, a divisão desproporcional dos lucros da produção foram amplamente discutidas e, de forma lamentável, não resolvidas pelo governo. Fica claro que desde sua estruturação sócio político econômica a argentina se manteve sempre em ascensão e se manteve firme quando em suas crises financeiras, localizando sempre um melhor método para “sobreviver” a turbulência. Sem dúvida o amadurecimento político e econômico proporcionou a Argentina um lugar de destaque nos países da América latina.    





Nenhum comentário:

Postar um comentário