domingo, 15 de janeiro de 2017

A Guerra dos Emboabas

 
   



    Foi uma disputa entre bandeirantes paulistas (homens livres e sem vínculo direto com a Coroa Portuguesa que, entre os séculos XVI e XVII, atuaram na captura de escravos fugitivos, aprisionamento de indígenas e outras tarefas relacionadas. Atuaram também na busca por ouro e pedras preciosas no Brasil), bandeirantes de outras províncias e as Entradas (forças, normalmente militares, financiadas pela Coroa portuguesa que tinham como missão desbravar territórios e principalmente descobrir pedras e metais preciosos) durante o período de 1708 - 1709
  A atração pelo ouro, encontrado no século XVII na região de Minas gerais, sobre europeus e colonos de outras províncias, levou a conflitos com seus descobridores, os bandeirantes paulistas. Apelidados de emboabas, palavra de origem indígena dada às aves que tinham penas até os pés e usada pelos paulistas no sentido de forasteiro, e sob liderança de Manuel Nunes Viana, alcunhado "governador das minas", enfrentaram os paulistas em vários combates. O mais marcante deles ocorreu no chamado "Capão da Traição", no qual 300 paulistas foram cercados pelos emboabas e massacrados, mesmo após terem se rendido.
  Em 1709, a fim de pacificar a região e melhorar sua administração, o governo português separou a capitania de São Paulo e Minas Gerais da Capitania do Rio de Janeiro. Rechaçados, os bandeirantes paulistas partiram em busca de ouro na direção dos atuais estados de Goiais e Mato Grosso. Alguns deles, enriquecidos com a exploração de ouro, retornaram para São Paulo, onde estabeleceram unidades de produção de gêneros de abastecimento para minas, integrando, dessa forma, a economia paulista à mineira.

2 comentários:

  1. Sou apaixonada por História, talvez um dia eu curse, por enquanto tô em Letras (e eu amo também), então me deparar com uma postagem dessa, me fisgou o coração. Amei o blog, continuem postando!

    Abraço,
    EU SOU UM POUCO DE CADA LIVRO QUE LI

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Mirelle, fique a vontade...A casa é nossa!

    ResponderExcluir